4 de agosto de 2009

Como me sinto quando me apaixono

Depois de meses off-line, estou pronta para voltar ao Tarot com meu pique normal. Ou melhor, quase pronta. Ainda estou finalizando alguns projetos para outubro e dando uma sacolejada nos meus trabalhos literários. Mas prometo responder em breve aos comentários, preparar novos textos para o blog, para Revista Personare (que agora está em Portugal!) e para o Clube do Tarot. Enquanto não dou o start, deliciem-se com o artigo que meu amigo Rodrigo Garcia Lopes escreveu para Revista Cláudia. Amei. E tenho certeza que vocês vão se encantar também. É raro ler um homem falando assim tão diretamente sobre o estado maluco que é apaixonar-se. Assunto que, cá pra nós, mais do nos interessa... Boa leitura!


Abraços,

Zoe

Arcano VI- Tarot Haileris



COMO ME SINTO QUANDO ME APAIXONO
Rodrigo Garcia Lopes



De cara, me vem a frase de Rimbaud: na paixão, "eu é um outro". Ou penso no que costuma dizer um amigo: o fim da paixão coincide com a descoberta de que "um é pouco, dois é muito". A paixão, antes, era uma promessa de felicidade. Hoje, desconfio que antes eu não me sentia: as coisas é que começavam a sentir, a sofrerem em mim. A memória de um rosto ou de uma voz é o que me deixava sentindo, sentindo. Sobretudo a memória de uma presença, ou aquilo que os antigos chamavam de musa. Pois só uma musa é capaz de despertar essa música em nós, essa irmã da paixão chamada poesia, e que nos leva a escrever coisas "sem sentido" como: "Imprimo em seus lábios lírios & jasmins / primícias de cetim em toques de neve / mixo a ti e a mim nesses senfins / gravo na boca o cheiro bom do cravo. / Nenhuma nóia a nos tocar se atreve. // Ligado, digito os terminais dos teus sentidos / Regulo o foco do deleite, chupo teus bits & bytes, / Quando a aurora goza um sono rosa, Danaê, acredite: / com sentidos assim, quem precisa de inimigos? [...]. Sim, a paixão é uma mulher de olhos invisíveis.

Dizer que a paixão implica em perda da razão não parece correto. Talvez seja mais apropriado dizer que a paixão carrega uma outra razão. A paixão, para mim, é como a leitura de um poema. Ou nos arrebata ou não é poesia. Nem paixão. A paixão é como uma palavra, num poema, uma palavra que busca uma rima. Quando duas palavras se beijam, nasce a poesia. Para mim, a paixão tem a ver com aquela "realidade ficcional" na qual estamos imersos quando lemos um romance: uma suspensão temporária do descrédito do mundo e do outro. Mas, antes que acabe, "posto que é chama", pintam os sintomas: insônia (pensa-se naquela pessoa), suores e tremores nas mãos (pensa-se naquela pessoa), enfim, dispara-se um mecanismo mental obsessivo (pensa-se naquela pessoa). A paixão é patética (palavra-irmã de paixão). Pateta é a pessoa apaixonada. Um marmanjo passa a se comportar como um adolescente. Não há como escapar.

A paixão, como a poesia, não tem muito sentido num mundo regido cada vez mais por valores como Mercado e Sucesso. Pois a paixão não é um valor: ela é um bem, um talento, uma espécie de reserva ecológica da sensibilidade. Em nossos dias, a paixão virou artigo de luxo. A arte de padecer por um amor está se tornando tão exótica quanto a poesia, uma arte mais e mais restrita a iniciados, como o foram a falconaria, a numismática, a filatelia. Pois para o que serve esse negócio que nos acossa, nos deixa em estado de transe, de sítio, de alerta, de poesia? Nesses nossos dias velozes e superficiais, ninguém parece ter mais tempo para o tempo que a paixão exige. O mundo deveria se adaptar à paixão, e não o contrário.

Apesar de já termos visto e vivido o filme da paixão, o fascínio que o outro pode exercer em nós nos faz cair, como patos, nessa lagoa que os gregos chamavam de... pathós: sofrimento. Parece que se a paixão não carrega este componente de dor, não é paixão. Lembro, em cenas que hoje fazem parte definitiva de minhas amnésias afetivas, que a ausência da pessoa pela qual estava apaixonado provocava em mim os mais estranhos pensamentos. Hoje penso que essa projeção é a de nossa própria imagem. Como tentar agarrar o próprio reflexo num espelho, como no mito de Narciso. E tem outro problema: a paixão sonha eliminar a solidão, o que é uma impossibilidade. E é bom mesmo que "seja eterno enquanto dure": nossas expectativas em relação à pessoa-objeto de nossa paixão são quase sempre inatingíveis. Pois mesmo que apaixonar-se seja uma forma de "dor elegante", como diria Leminski, implica uma situação de estresse emocional e afetivo que nenhum ser humano pode suportar por longos períodos, sob pena de enlouquecer, e aí não seria mais paixão. Pois a paixão é um pensamento são num mundo insano. Quanto dura o filme da paixão? As personagens mudam, a paixão, não. Para mim, a paixão é como um daqueles paraísos perdidos: Mu, Atlântida, Agartha, Shambala, praia de Dido. Vê, já estou apaixonado e falando coisas sem sentido.




Rodrigo Garcia Lopes é escritor, poeta, jornalista, tradutor (Sylvia Plath, Rimbaud, Whitman, Laura Riding) e compositor, autor do CD de música e poesia Polivox, e dos livros de poemas Solarium, Visibilia, Polivox, Nômada. É um dos editores da revista Coyote e autor do blog http://www.estudiorealidade.blogspot.com/



6 comentários:

Senhor da Vida disse...

Belo texto certamente, e concordo, o mundo devia se adequar a paixao, mas na pratica isso é exotico demais pras pessoas cada vez mais presas ao material.Bjs!

Marcus Vinicius disse...

Meu amigo Rodrigo Garcia Lopes é mesmo um cara genial. Poço de cultura e rebeldia consciente, faz do ato de escrever um escrever a prórpria vida e recriar aqueles pelos quais se apaixona, como Rimbaud, Laura Ridings, Silvia Plath, Walt Whitman, entre outros.

Bacana você ter postado esse texto belíssimo aqui. Jóia!!

Mudando de assunto, caso queira conhecer meu site no www.myspace.com/ribeva, será um prazer. Espero q goste.

Abrç,

Ribeva

Emanuel disse...

Oi Zoe. Recebi um prêmio recentemente e dediquei-o a vocÊ, em meu blog. E inclusive com um pedido de mais textos seus, que fazem falta. Bjo!

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Zoe,

Desde o texto "Proteja suas escolhas" que ando frequentando seu blog (e gostando muito, diga-se de passagem).

Vim a convite da Cris (do "Na Estrada") e fui ficando...

Aproveito para te convidar para conhecer o "Agnaldo no Espelho". Será um prazer recebê-la por lá.

Parabéns pelo blog.

Rosane Queiroz disse...

Nossa, zoe! esse texto é tudo o que há de mais lindo e verdadeiro que já li sobre a paixao!

amei. vou copiar

mas cade teu taro online, eu adorava, estou em delirium tremens

beijos, RO

Prensada disse...

Não sei como caí no seu blog
e fui ficando...e lendo.
Gosto de Tarot e a forma que você o expõe com muita poesia e lindas ilustrações.
Bacana demais.